sábado, 29 de dezembro de 2007

EFEMÉRIDE: Dia Mundial da Diversidade Biológica










NO JARDIM DO REI QUE NÃO EXISTE (I)

Comemora-se, hoje, o Dia Mundial da Diversidade Biológica. Para muitos é um dia insignificante, mais um daqueles que se inventam por aí, mais um que não serve absolutamente para nada a não ser para exclamar “hum, hum” quando, acidentalmente, nos cruzamos com um folheto, um poster ou uma notícia minúscula num jornal. Na verdade, a diversidade biológica não interessa a ninguém. O facto de se extinguirem 27 mil espécies por ano não afecta em nada a nossa vida e o nosso bem-estar. O facto de existirem mais de 15 mil espécies de animais e 60 mil espécies de plantas em perigo de extinção não nos tira o sono e muito menos o orgulho medieval de termos lá por casa qualquer coisa feita de qualquer coisa exótica muito cara e muito rara. É que os corais dão excelentes centros de mesa. E as cascas de tartaruga ficam muito bem sobre o aparador da sala. Já a pele de zebra encaixa perfeitamente no hall de entrada. E no escritório, aquela mobília feita de madeira da Indonésia fica simplesmente perfeita. O facto de, lá longe, a diversidade biológica ser cada vez menos diversa não nos incomoda minimamente. Longe da vista, longe do coração. Suficientemente longe para não fazer parte das nossas preocupações quotidianas. Convenhamos. Porque deveríamos nós chorar todos os dias pelo desaparecimento de algumas plantas em Tuvalu, um mísero e insignificante atol do Pacífico? E por umas plantas? É mesmo isso. Longe da vista, longe do coração. O que faz com que a nossa perspectiva seja um tanto solipsista. A única realidade somos nós próprios e tudo o que há à nossa volta simplesmente não existe, é irreal. Mesmo a consciência não passa de um subproduto dos media. O que faz de nós, inevitavelmente, uns cretinos. É precisamente por essa razão que vamos todos comprar a Agenda Verde 2008 da National Geographic porque é gira e barata e tem umas fotografias de bichos excepcionais mas pouco nos interessa que diga que os gorilas são uma das muitas espécies em risco de extinção por causa da destruição das florestas tropicais pelo corte ilegal e pela pressão da agricultura ou que o aquecimento global fez com que algumas plantas avançassem para norte, florescendo em extensões antes cobertas pelos glaciares ou ainda que a acção humana é, há décadas, a causa directa do imparável decréscimo do número de baleias. Mas hoje é o Dia Mundial da Diversidade Biológica. Há, logo à partida, um aspecto interessante e que simboliza de alguma forma a importância que damos à diversidade biológica. Este dia foi criado no dia 29 de Dezembro de 1993 pelo Segundo Comité da Assembleia-geral das Nações Unidas, altura em que se realizou a Convenção da Diversidade Biológica. No entanto, há quem comemore a data da adopção do texo da convenção, a 22 de Maio. A razão é simples. Para muitos países, a data de 29 de Dezembro não dá jeito. E isto até tem piada porque simboliza na perfeição a nossa preocupação para com a diversidade biológica, isto é, agora não dá jeito. Só assim se compreende que uma fábrica de cimento esteja localizada em plena serra da Arrábida e ninguém dê um grito. Aliás, uma fábrica de cimento em plena serra com uma fauna e uma flora excepcionais, algumas únicas no mundo, só pode ser uma piada de mau gosto, uma autêntica cretinice. Isto já para não falar no estuário do Sado e dos seus golfihos-roazes, uma das poucas populações residentes de golfinhos no mundo mas que está em decréscimo devido ao lixo que fábricas ali da zona despeja directamente no estuário (será que vou preso por te dito isto?!).
(continua)
Fotos do Jardim Botânico de Lisboa (c) Ricardo S. Reis dos Santos

1 comentário:

alfacinha disse...

Não só as fábricas ameaçam a natureza mas também a evolução negativa dos cidadãos que se retiram para campo. É preocupando ver nas últimas décadas, a quantia de casas que triplicou na serra de Arrábida e os arredores. Uma serra que felizmente ainda tem uma natureza lindíssima, somente fica a presença do homem, uma ameaça permanecente para esta beleza. Como amador de natureza e Portugal gosto de caminhar principalmente no ambiente peculiar da serra de Arrábida.Cumprimentos de Antuérpia
http:blog.seniorennet.be/lisboa