quinta-feira, 2 de fevereiro de 2006

LER: Ordens Religiosas em Portugal - Guia Histórico


Acaba de ser publicado pela Livros Horizonte o livro Ordens Religiosas em Portugal: das origens a Trento - Guia Histórico, sob a direcção do Prof. Bernardo Vasconcelos e Sousa e autoria de Isabel Castro Pina, Maria Filomena Andrade e Maria Leonor Ferraz de Oliveira Silva Santos. Esta obra é uma publicação do Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa onde decorre um projecto com a mesma designação e que procura conhecer as etapas de implementação e de desenvolvimento das Ordens Religiosas em Portugal desde as origens ao final do século XVI. Este Guia Histórico disponibiliza notícias históricas sobre todas as Ordens Religiosas medievais que actuaram em Portugal no período referido anteriormente e sobre os 450 conventos e mosteiros por elas fundados nos continentes e ilhas; cartografia da localização dos conventos e mosteiros; indicação das fontes documentais já publicadas; localização das fontes manuscritas disponíveis no Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo, nos Arquivos Distritais, na Biblioteca Nacional e em outros arquivos do país, com a indicação sumária da sua dimensão e conteúdo; bibliografia actualizada sobre as Ordens e os conventos e mosteiros referidos, incluindo dissertações académicas mais recentes; e, informação sumária sobre o estado actual dos conventos e mosteiros. Tem o preço de 38 Euros.

Na perspectiva da História das Ciências, a interacção entre a religião e a medicina durante a Antiguidade e a Idade Média permite-nos compreender melhor a razão pela qual a prestação de cuidados médicos constituiram um aspecto central na vida das Ordens Religiosas. Não obstante o facto de os hospitais e do ensino médico se ter processado a partir das estruturas da Igreja, o que demonstra que o pensamento religioso teve um papel estruturante na história das ciências da saúde em Portugal. A título de exemplo, veja-se o trabalho da Ordem Hospitaleira de S. João de Deus que depois do martírio do Santo que lhe dá o nome, se implementa em Portugal entre 1606 e 1834, altura em que se dá a extinção das Ordens Religiosas. Vocacionada para a prestação de cuidados médicos a doentes mentais e crianças, a Ordem Hospitaleira de S. João de Deus regressa a Portugal em 1890, cumprindo a sua missão no Hospício de S. Marta em Lisboa e no Asilo de crianças doentes em Aldeia da Ponte. Mais tarde, o Beato Bento Menni funda a Casa de Saúde do Telhal para tratamento somente de homens afectados de doenças mentais, dirigida e servida pelos Irmãos Hospitaleiros de S. João de Deus. E aí a evolução dos cuidados médicos prestados aos doentes tornou-se paradigmática do papel das Ordens Religiosas na história das ciências da saúde em Portugal. Claro está, a título de exemplo.
_____________________

«Consciente da importância que as ordens religiosas tiveram nos mais variados aspectos da história medieval de Portugal, não posso deixar de me regozijar pela publicação deste Guia. Estou firmemente convencido que prestará serviços inestimáveis tanto a historiadores como a investigadores interessados na conservação do património e no estudo da história local. Trata-se de um Guia que reúne informações de base com indicações do que o leitor, desejoso de saber mais, precisa de ter em conta para avançar com segurança nas suas pesquisas. Também estou em condições privilegiadas para poder recomendar uma obra cujos méritos sei apreciar com objectividade, porque conheço as numerosas dificuldades que os seus autores tiveram de vencer e posso garantir as suas qualidades de rigor e de crítica, no trabalho que têm vindo a desenvolver.» (José Mattoso)

1 comentário:

Gustavo Silveira disse...

Hola, soy de Uruguay, en marzo de 1753 falleció y fue sepultado a orillas de un arroyo, cercano a la frontera con Brasil, un religioso llamado José Diaz, perteneciente a la Orden de Paula de Portugal, el arroyo y la zona pasaron a llamarse Fraile Muerto y quisiera saber donde recabar información sobre su Orden y motivos por los que se encontraba aquí. Gracias